Direito Desportivo

Conheça 4 casos de morte de jogadores em campo e só deixaram saudades

setembro 5, 2019
Conheça 4 jogadores que morreram em campo e só deixaram saudades
Compartilhe este conteúdo

O futebol reserva muitas surpresas, dentro e fora de campo. Porém, infelizmente, nem sempre todas elas são boas. Alguns casos de morte de jogadores em campo, depois de levarem muitas alegrias para seus fãs, partiram precocemente e deixaram sua marca, além de uma saudade enorme.

Para evitar fatalidades relacionadas a doenças, a lei brasileira prevê meios de controle da saúde dos profissionais. Ainda, as normas do contrato firmado entre clube e atleta tentam, de alguma forma, amenizar a dor dos familiares após um falecimento inesperado.

Neste post, vamos relembrar 4 jogadores que se foram, além do trágico acidente aéreo que marcou de maneira triste a história do futebol brasileiro. Abordaremos, também, algumas questões jurídicas envolvidas.

Perdas irreparáveis

Nada se compara à dor de familiares e torcedores ao perder um jogador. O fato é ainda mais chocante quando a morte acontece dentro de campo, e isso infelizmente se repetiu algumas vezes no Brasil e no mundo. Relembre agora alguns acontecimentos.

1. Serginho — São Caetano

O caso mais recente do futebol brasileiro ocorreu em 27 de outubro de 2004, aos 14 minutos do segundo tempo do jogo entre Associação Desportiva São Caetano e São Paulo Futebol Clube. Serginho, zagueiro daquele time, caiu no gramado do estádio do Morumbi. O motivo: uma parada cardiorrespiratória.

A ambulância demorou um pouco a chegar para socorrer o atleta com então 30 anos. Enquanto isso, as equipes médicas tentavam reanimar Serginho. Apesar de ter voltado a respirar em alguns momentos e ter sido encaminhado para o hospital, o jogador não resistiu e faleceu às 22h45 daquela noite.

Muitas dúvidas pairaram sobre a morte de Serginho, já que o jogador teria sido diagnosticado no início daquele ano com uma arritmia (disfunção no coração) leve, mas não teria sido orientado a se afastar dos gramados. Ficaram, então, as lembranças do atleta, além de seu par de chuteiras, que hoje está exposto na sala de troféus do São Caetano.

2. Patrick Ekeng — Dínamo Bucareste

Em 6 de maio de 2016, durante um jogo do Campeonato Romeno entre Dínamo Bucareste e Vitorul Constata, Patrick Ekeng, jogador natural de Camarões, com apenas 26 anos, caiu ao chão. O cronômetro marcava 25 minutos do segundo tempo, e o jogador havia entrado em campo havia apenas 7 minutos.

Leia mais:  Discussão na Justiça: Negociação da Arena Corinthians

As equipes médicas foram chamadas e encaminharam o atleta ao hospital mais próximo. No entanto, ele não resistiu. A necropsia apontou que Patrick sofria de sérios problemas cardíacos.

3. Antonio Puerta — Sevilla

Antonio Puerta, jogador do Sevilla, time espanhol, faleceu aos 22 anos, durante uma partida contra o AEK Athens, clube de Atenas, pela fase eliminatória da Liga dos Campeões, em 25 de agosto de 2007. O jogador começou a se sentir mal em campo e foi substituído. No vestiário, teve uma parada cardiorrespiratória.

Ele foi socorrido e reanimado por meio de massagem cardíaca no gramado, mas, na ambulância, a caminho do hospital, teve mais cinco paradas cardiorrespiratórias. Depois, Antonio chegou a ficar três dias internado, mas acabou falecendo em razão dos danos cerebrais sofridos. O último boletim médico antes da morte atestou que o atleta estava com dificuldades na oxigenação do órgão.

4. Marc-Vivien Foé — Seleção de Camarões

Marc-Vivien Foé, foi mais um caso de morte de jogadores em campo. Era jogador do Lyon, time francês, mas estava emprestado ao Manchester City, clube de futebol inglês, e foi convocado para disputar a Copa das Confederações de 2003 pela seleção de Camarões. Foi no dia 23 de junho de 2003, durante o jogo de semifinal contra a Colômbia, que o atleta de 28 anos desabou dentro do círculo central do campo.

A equipe médica fez os atendimentos a Marc-Vivien ao lado do gramado e o encaminhou para o hospital. No entanto, o profissional do futebol acabou falecendo 45 minutos depois do ocorrido. O laudo identificou que o atleta sofria de cardiomiopatia hipertrófica, uma condição hereditária cardíaca rara.

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

Apesar da trágica morte do jogador, a seleção camaronesa conseguiu se classificar para a final, porém, foi vencida pela França. Ainda assim, em um ato de solidariedade, Marcel Desailly, francês, e Rigobert Song, camaronês, levantaram o troféu juntos. Além disso, os atletas de Camarões participaram da premiação vestindo a camisa 17 com o nome de Foé bordado e levaram um cartaz com a foto do colega.

Viagem e sonhos interrompidos

Ao falar em perdas no futebol, não há como não se lembrar do trágico acidente aéreo ocorrido em Medellín, na Colômbia, envolvendo o time da Chapecoense, de Santa Catarina. Ali, não só uma viagem para a final da Copa Sul-Americana era interrompida, mas também a vida e os sonhos de jogadores, diretoria, equipe técnica, médicos, jornalistas e convidados que acompanhavam o time, além da tripulação.

Leia mais:  O que é Direito Desportivo e por que ele é importante?

Tudo aconteceu em 29 de novembro de 2016, quando a equipe catarinense, em ascensão no cenário futebolístico, estava a caminho de sua primeira disputa pelo título no campeonato continental contra o Atlético Nacional. Devido a uma pane seca, ou seja, por falta de combustível, o avião da empresa LaMia que transportava a delegação da Chapecoense se chocou contra uma montanha nos arredores do aeroporto do destino final e caiu.

Foram 71 vítimas fatais e 6 sobreviventes, entrando na lista dos mais chocantes casos de morte de jogadores, apesar de não ter ocorrido em campo. Entre estes, três são jogadores da Chapecoense: Alan Ruschel, Jackson Follmann e Neto. Uma comissária e um técnico de voo bolivianos, além do jornalista brasileiro Rafael Henzel, também tiveram uma segunda chance. Este último, contudo, sofreu um infarto em março deste ano e faleceu aos 45 anos.

O Atlético Nacional solicitou a entrega da taça da Copa Sul-Americana à Chapecoense, que foi declarada campeã do torneio. A equipe, que crescia vertiginosamente, teve que se reerguer após a tragédia que chocou o Brasil e o mundo. Apesar do acontecimento, ela venceu o Campeonato Catarinense de 2017.

Aspectos jurídicos

Como visto, embora em alguns casos listados tenham ocorrido exames médicos prévios, eles não foram suficientes para identificar doenças sérias a tempo. A avaliação de condição física deve ser periódica, tratando-se de determinação do art. 82-A, da Lei Pelé (Lei nº 9615/98).

Ainda, a CBF exige, de acordo com a lei, que entidades de prática desportiva contratem seguro de vida e de acidentes pessoais para os atletas profissionais. O objetivo é garantir segurança para situações de risco as quais eles estão sujeitos.

O valor de indenização pago ao jogador ou aos seus familiares indicados como beneficiários deve corresponder, no mínimo, a 12 vezes a remuneração mensal do atleta, conforme parágrafo 1º do art. 45 da mencionada lei. Ainda, enquanto a seguradora não fizer o pagamento, a própria entidade contratante do atleta é responsável por arcar com despesas médico-hospitalares e medicamentos necessários para o restabelecimento do profissional.

Leia mais:  Entenda o que é o bicho no futebol

Sendo assim, embora proporcione alegrias, o futebol também tem seus momentos de tristeza. Entre eles, estão os casos de morte de jogadores em campo, a perda de grandes profissionais da bola. Em todos os casos, como visto, a comoção toma conta dos torcedores, independentemente do time do coração. Assim também foi com o caso do avião da Chapecoense, e o mais recente caso do filho do ex-lateral direito Cafu, Danilo Feliciano de Morais. Este último que faleceu devido a um infarto, enquanto jogava bola em casa.

Embora a lei brasileira determine procedimentos para a proteção da saúde dos jogadores de futebol, nem sempre ela é seguida, e as consequências são inestimáveis, principalmente para os familiares. Quanto a estes, há garantia de pagamento de indenização, mas nada substitui a ausência de quem brilhava, não só aos olhos da torcida, mas também da família.

Conhece alguém que ama futebol e gostaria de relembrar estes fatos? Compartilhe este artigo nas redes sociais!

Entre em contato com nosso escritório que daremos todas as informações para sanar suas dúvidas!

(11) 2403-3180
(11) 97053-3654 WHATSAPP

Site Oficial: http://www.advocaciamariapessoa.com.br/index.php

Contato EspecialistaPowered by Rock Convert
Você sabe com quantos anos o menor pode assinar um contrato como jogador de futebol? Você sabe quais os direitos trabalhistas que o jogador de futebol possui? Nós, da Advocacia Maria Pessoa estamos à disposição para te auxiliar! Somos um escritório de Advocacia com assessoria jurídica desportiva especializada que conta com profissionais capacitados para as mais diversas demandas. Atuamos na área do Direito Desportivo, Direito Trabalhista, Direito Cível, Direito de Família e Direito Previdenciário. Podemos te auxiliar? Entre em contato conosco e agende sua visita em nosso escritório: (11) 2403-3180, (11) 97053-3654 (Whatsapp), e-mail: maria.pessoa.lima@terra.com.br . Ficaremos honrados em atendê-lo!

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply