Direito Desportivo

Saiba quais são as propostas para a nova liga brasileira de futebol (Libra)

maio 25, 2022
Saiba quais são as propostas para a nova liga brasileira de futebol (Libra)
Compartilhe este conteúdo

Os clubes brasileiros das Séries A e B estão discutindo a criação de uma nova liga brasileira de futebol, a Libra. Esta nova liga viria com uma reformulação com relação ao que temos hoje em dia. Além disso, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) também perderia um certo espaço.

No entanto, nem tudo é tão simples assim. Ainda restam alguns pontos importantes em aberto, sobre os quais os clubes ainda não conseguiram chegar a um consenso. Então, quais são esses pontos? E como anda o processo de criação da nova liga brasileira de futebol?

Como está a criação da nova liga brasileira de futebol (Libra)?

Libra

Primeiramente, saiba que o debate sobre uma nova liga de clubes já vem de algum tempo. Ademais, como falamos antes, a organização dessa nova proposta vem diretamente dos clubes, e não da CBF.

Dessa forma, há um importante consenso entre as principais equipes do futebol nacional: é preciso mudar e, para isso, eles devem tomar as rédeas. Porém, o que não se consegue definir são as condições dessa reformulação.

Hoje em dia, já houve a assinatura de um memorando de intenções com um projeto em andamento, buscando investidores e patrocínio. Enquanto isso, os dirigentes seguem discutindo os melhores formatos possíveis. Assim, realizam reuniões sobre a Libra e buscam definições.

Qual a divergência entre os clubes?

A última reunião envolvendo os clubes foi no dia 6 de maio. Foi nesta reunião, por exemplo, que o termo Libra começou a ficar mais conhecido, dando mais identidade ao novo torneio.

Ainda assim, as divergências existem, em especial com relação à divisão dos recursos. Atualmente, há uma grande disparidade financeira nesta distribuição, e a diferença pode chegar a um clube recebendo até 7 vezes mais do que outro.

Leia mais:  O que é direito desportivo e como pode ajudar você?

Inicialmente, alguns clubes, formados por Corinthians, São Paulo, Santos, Palmeiras, Red Bull Bragantino, Ponte Preta e Cruzeiro têm uma posição, enquanto a maioria diverge. Estes sete clubes entendem que manter a parte igualitária das receitas em 40%, com 30% por premiação, 30% por engajamento e 15% para a Série B é o ideal.

Por outro lado, a maioria discorda. Assim, entendem que é necessário ter uma divisão mais igualitária. Os valores seriam 50% distribuídos iguais, 25% para premiação, 25% engajamento e 20% para a Série B. O Internacional chegou a publicar uma nota oficial representando esta visão.

Veja um trecho que representa bem a nota, que foi compartilhada por diversos outros clubes:

Os termos aceitos em São Paulo por outros 6 clubes perpetuam o abismo que existe hoje, ao manterem a parte igualitária das receitas em 40%, enquanto nos campeonatos mais bem sucedidos este percentual pode chegar a 68% somando todos os direitos domésticos, internacionais e de marketing, caso da Premier League, por exemplo.

Não é aceitável que haja clubes ganhando 6 vezes mais do que outros, enquanto nas melhores Ligas do mundo essa diferença não ultrapassa 3,5 vezes.

Entenda os próximos passos

Libra

Os próximos passos para a criação da Libra ainda são incertos. Novas reuniões estão agendadas, previstas ainda para o mês de maio. Até o momento, 23 clubes das Séries A e B não assinaram a Libra, enquanto 8 já assinaram.

Um novo grupo, formado por esses 23 clubes, lançou uma nova nota oficial, levantando questões similares às anteriores. Dessa forma, mencionam, por exemplo, sua discordância com relação a alguns fatores, reafirmando a preocupação na distribuição de recursos:

Algumas premissas devem ser observadas, tendo como referência que: (i) a Premier League divide igualmente 68% da receita, somando todos os direitos domésticos, internacionais e de marketing; (ii) as Ligas Alemã, Espanhola, Francesa e Italiana distribuem 50% da receita de forma igualitária; e (iii) a diferença de receita entre o primeiro e último clubes respeitam os seguintes limites: Inglaterra (1.6x), Itália (2.1x), Alemanha (3.2x) e Espanha (3.5x).

No entanto, nem todo mundo está com a Libra ou com estes 23 clubes. Entre os que não assinaram este último documento nem aderiram à nova liga, estão Inter, Grêmio, Botafogo, Vasco, Bahia e Atlético MG.

Leia mais:  Agente de futebol: como escolher o seu?

E você, o que acha destas propostas? Comente!

Você sabe com quantos anos o menor pode assinar um contrato como jogador de futebol? Você sabe quais os direitos trabalhistas que o jogador de futebol possui? Nós, da Advocacia Maria Pessoa estamos à disposição para te auxiliar! Somos um escritório de Advocacia com assessoria jurídica desportiva especializada que conta com profissionais capacitados para as mais diversas demandas. Atuamos na área do Direito Desportivo, Direito Trabalhista, Direito Cível, Direito de Família e Direito Previdenciário. Podemos te auxiliar? Entre em contato conosco e agende sua visita em nosso escritório: (11) 2403-3180, (11) 97053-3654 (Whatsapp), e-mail: maria.pessoa.lima@terra.com.br . Ficaremos honrados em atendê-lo!

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply