Direito Desportivo

Transexualidade no esporte: por que não?

julho 15, 2019
transexualidade no esporte
Compartilhe este conteúdo

A transexualidade no esporte vem acendendo inúmeros debates no meio desportivo nacional e internacional. No Brasil, casos como o da jogadora de vôlei Tiffany e de uma criança transexual de Santa Catarina, que foi proibida de participar de uma competição, demonstram a importância de debatermos cada vez mais a respeito desse assunto.

Pensando nisso, elaboramos este artigo apresentando alguns casos famosos de transexuais que conseguiram o seu direito de participar de clubes e competições, bem como outros casos nos quais os atletas foram proibidos de competir.

Além de conhecer esses casos, você vai descobrir o que diz a legislação a respeito do assunto, quais os direitos do atleta trans e quais as perspectivas em relação ao tema para os próximos anos. Acompanhe!

Transexualidade no esporte brasileiro: casos atuais e polêmicos

Recentemente, a imprensa veiculou uma notícia envolvendo o caso de uma criança transexual de 11 anos que foi proibida de participar de um campeonato de patinação em Joinville (SC).

Muito embora a Justiça tenha autorizado, mediante liminar, a participação da criança no Campeonato Sul Americano de Patinação Artística, a decisão foi derrubada em sede de recurso.

Isso ocorreu depois que a Confederação Sul Americana de Patinação ingressou com um recurso solicitando que fosse cumprido o regulamento. A alegação da entidade é de que a criança não poderia competir de forma igualitária com atletas do sexo oposto.

Em razão da decisão derrubando a liminar, a família ingressou com outro recurso junto ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), e, apenas um dia antes da realização da competição, o órgão emitiu um parecer positivo, autorizando a criança a participar do evento.

Outro caso conhecido no Brasil é da atleta de vôlei da Super Liga Feminina, Tiffany Abreu. Depois de alcançar excelentes resultados e quebrando o recorde da competição nacional de vôlei, ela voltou a ser alvo de questionamento sobre a participação de atletas transexuais em clubes femininos.

Leia mais:  Entenda quais são as atribuições da justiça desportiva

O debate está atrelado, principalmente, à questão físico/biológica, já que muitas pessoas defendem a ideia de que o atleta transexual não tem igualdade biológica com os demais competidores, e, por isso, poderia ter resultados mais satisfatórios.

Biologia e representatividade: entenda os pontos de discussão

Muitas pessoas que lidam com a questão da transexualidade no esporte afirmam que limitar o debate exclusivamente ao aspecto biológico não abarca a complexidade do assunto.

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

Historicamente, os transexuais têm índices de escolaridade mais baixos em razão do preconceito sofrido nas escolas e dentro de universidades. Como consequência, sempre encontraram barreiras para conseguir um bom emprego e são um dos principais alvos da violência no Brasil, que, segundo estatísticas, é o país com maior índice de crimes de ódio contra transgêneros.

Por isso, muitos especialistas defendem que a discussão não deve se limitar à questão biológica. O impacto social causado pela integração dessas pessoas no meio esportivo é um sinal de desenvolvimento da tolerância e, por isso, deve ser levado em consideração.

Legislação desportiva: o que ela diz a respeito

De acordo com a legislação brasileira, o atleta tem direito de praticar o esporte dentro do gênero ao qual ele se identifica. Nesse sentido, é óbvio que a mudança de gênero não é obrigatória, e nem poderia ser, considerando os nossos direitos fundamentais.

Todavia, para fins de competição, os clubes e a própria lei entendem que o atleta profissional deve fazer a reposição hormonal devidamente, para que haja um nivelamento com relação aos atletas daquele gênero e, dessa forma, sua performance se “iguale” a dos demais.

Imagine, por exemplo, um atleta biologicamente masculino, competindo com atletas biologicamente femininas? Será que haveria igualdade de rendimento, considerando as condições biológicas de cada um? Esse é o ponto que a lei tenta resolver.

Leia mais:  Como funciona o Mecanismo de Solidariedade da FIFA?

O assunto é muito novo e existem diversos debates, inclusive nos tribunais, a respeito do tema. É importante manter presente a discussão, levando sempre em consideração a igualdade de direitos trazida pela nossa Constituição Federal.

Você gostou deste artigo sobre transexualidade no esporte? Então assine a nossa newsletter e fique por dentro de assuntos relevantes e atuais sobre direito desportivo.

Entre em contato com nosso escritório que daremos todas as informações para sanar suas dúvidas!

(11) 2403-3180
(11) 97053-3654 WHATSAPP

Site Oficial: http://www.advocaciamariapessoa.com.br/index.php

Contato EspecialistaPowered by Rock Convert
Você sabe com quantos anos o menor pode assinar um contrato como jogador de futebol? Você sabe quais os direitos trabalhistas que o jogador de futebol possui? Nós, da Advocacia Maria Pessoa estamos à disposição para te auxiliar! Somos um escritório de Advocacia com assessoria jurídica desportiva especializada que conta com profissionais capacitados para as mais diversas demandas. Atuamos na área do Direito Desportivo, Direito Trabalhista, Direito Cível, Direito de Família e Direito Previdenciário. Podemos te auxiliar? Entre em contato conosco e agende sua visita em nosso escritório: (11) 2403-3180, (11) 97053-3654 (Whatsapp), e-mail: maria.pessoa.lima@terra.com.br . Ficaremos honrados em atendê-lo!

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply